Quem sou eu?

Se você é novo por aqui, clique na imagem acima.

Ouça músicas das quais você nunca ouviu antes.

Clique na imagem acima e conheça um novo mundo.

Filmes espetaculares dos quais provavelmente você não conhece.

Descubra a pura essência da arte cinematográfica clicando na imagem acima.

Livros indispensáveis ao ser humano.

DESPERTE ao ler esses livros. Clique na imagem acima.

Entre em contato comigo caso desejar.

Caso desejar entrar em contato comigo sinta-se a vontade, talvez eu não te responda, mas certamente irei ler sua opinião. Clique na imagem acima.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Papai Noel é uma invenção do Diabo?


Este é um texto no minimo interessante que encontrei "por ai".
Convido-os a acompanhar o raciocinio do autor que faz uma "acusação" um tanto "intrigante" à qual seria o motivo para a criação do ARQUÉTIPO papai Noel.

"Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá.
Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios"

Efésios 5:14-15

Editor: O Eremita

___________________________________________________________

Quando comparamos atentamente o mito do Papai Noel com a história bíblica real de Jesus Cristo, vemos a realidade chocante que Satanás suplantou Jesus Cristo na vida de muitas pessoas.


Os autores da Nova Era afirmam repetidamente que o chefe supremo do Logos Planetário — o principal líder deles — chama-se Sanat Kumara. O espírito-guia da autora de Nova Era Alice Bailey, Mestre D. K., define Sanat Kumara como “a vida e a inteligência reveladora que está no nosso planeta.” [The Externalization of the Hierarchy (A Exteriorização da Hierarquia), Alice A. Bailey, pg 676].

Mais tarde, Sanat Kumara é identificado por outro título, O Senhor do Mundo [pg 735]. Logicamente, esse é o sinônimo de um dos títulos bíblicos de Satanás. Em João 12:31, 14:30 e 16:11, Jesus chamou Satanás de “príncipe deste mundo“. Assim, não pode haver dúvida que Sanat, o líder supremo, a quem os aderentes da Nova Era chamam de “Senhor do Mundo“, não é ninguém menos que Satanás, chamado por Jesus de “príncipe deste mundo”.

Sanat é simplesmente uma transliteração do nome “Satan” [Satã]. Portanto, Sanat é Satanás. Não pode haver dúvida, especialmente quando você percebe que o plano para produzir a Nova Ordem Mundial de Sanat é idêntico à descrição bíblica sobre como Satanás vai atuar no fim dos tempos.

Permita-me apresentar-lhe outra transliteração da palavra Satan:

Em inglês, o nome é Santa Claus, em português, Papai Noel.

Antes que você reaja sem pensar, separe alguns minutos para ler esta comparação entre os ensinos bíblicos de Jesus Cristo e os ensinos místicos do Papai Noel.

Muitos pastores lamentam o fato de que o Papai Noel substituiu Jesus Cristo no coração e na mente de muitas crianças e adultos no nosso país atualmente. Quando você ler esta comparação, compreenderá que essa substituição no coração e na mente das pessoas não é acidental. Verá que Satanás, o mestre das marionetes, está puxando as cordinhas do mundo, levando os adultos e as crianças para longe de Jesus Cristo e em direção ao Papai Noel, que é o epítome do amor ao mundo e a tudo o que nele há.


Jesus Cristo

Nosso Senhor e Salvador de Acordo com a Bíblia

Papai Noel

A Falsificação de Acordo com o Mito Humano
1.Tem os cabelos brancos como a lã [Apocalipse 1:14]1. Tem os cabelos brancos como a lã
2. Tem barba [Isaías 50:6]2. Tem barba
3. Veste um manto vermelho [Apocalipse 19:13]3. Veste-se de vermelho
4. A hora da sua vinda é surpresa [Lucas 12:40; Marcos 13:33]4. A hora da sua vinda é surpresa
5. Vem do norte, onde vive [Ezequiel 1:4; Salmos 48:2]5. Vem do Pólo Norte, onde vive
6. Trabalhou como carpinteiro [Marcos 6:3]6. Fabrica brinquedos de madeira
7. Vem como o ladrão de noite [Mateus 24:43-44]7. Vem como o ladrão de noite; entra na casa como um ladrão
8. Onipotente — o Todo-poderoso [Apocalipse 19:6]8. Onipotente — pode entregar todos os brinquedos no mundo inteiro em uma só noite
9. Onisciente — conhece todas as coisas [Hebreus 4:13; 1 João 3:20]9. Onisciente — sabe se a criança foi boa ou má o ano todo
10. Onipresente [Salmos 139:7-10; Efésios 4:6; João 3:13]10. Onipresente — vê quando a criança está acordada ou dormindo. Precisa estar em toda a parte ao mesmo tempo para entregar todos os presentes em todo o mundo na mesma noite
11. Vive para todo o sempre [Apocalipse 1:8; 21:6]11. Vive para sempre
12. Vive naqueles que o receberam [1Coríntios 3:16; 2Coríntios 6:16-17]12. Vive no coração das crianças
13. Distribui dons [Efésios 4:8]13. Distribui presentes
14. É a verdade absoluta [João 14:6]14. Fábula absoluta [1 Timóteo 1:4; 4:7; 2 Timóteo 4:4]
15. Senta-se em um trono [Apocalipse 5:1; Hebreus 1:8]15. Senta-se em um trono
16. Somos exortados a nos achegar ao seu trono de graça e a expor nossas necessidades a ele [Hebreus 4:16]16. As crianças são convidadas a se aproximarem do seu trono e a pedir tudo o que quiserem
17. Um de seus mandamentos é que os filhos honrem aos pais17. Diz às crianças para obedecerem aos pais
18. Convida as crianças a irem a ele [Marcos 10:14]18. Convida as crianças a irem a ele
19. Julga [Romanos 14:10; Mateus 25:31-46]19. Julga se a criança foi boa ou má
20. Pai da Eternidade [Isaías 9:6]20. Papai Noel (Pai do Natal)
21. Menino Jesus [Mateus 1:23; Lucas 2:11-12]21. Kris Kringle (significa Menino Cristo)
22. Digno de receber orações e adoração [Apocalipse 5:12-14; Hebreus 1:6]22. As crianças adoram e rezam a São Nicolau
23. Senhor dos Exércitos [Malaquias 3:5; Isaías 8:13; Salmos 24:10]23. Senhor de um exército de elfos (na tradição druídica, os elfos eram demônios ou espíritos das árvores)
24. Deus diz, “Eh! Eh!… [Zacarias 2:6]24. O Papai Noel diz “Ho, ho, ho…”
25. Príncipe da Paz, a Imagem de Deus [Isaías 9:6; Hebreus 1:3];25. Símbolo da Paz Mundial, a imagem do período do Natal


Pode-se ver claramente que alguém criou uma falsificação secular de Jesus Cristo, colocando muitos de seus atributos no Papai Noel! Existem tantos pontos em comum, que é impossível que essa criação tenha sido acidental. Em Jó 1:6-7, vemos que Satanás passeia pela Terra como se ela fosse o terreno de um jardim, totalmente sob seu controle. Certamente, nestes dias finais, ele quer ter alguém que desvie a atenção, a admiração e o amor das crianças de Jesus Cristo.

Mas, não somente isso, também quer contaminar as crianças desde cedo com a mais devastadora das doenças espirituais, o amor aos bens materiais e o amor a si mesmo, que acompanham o desejo de receber o maior número possível de presentes! A criação e a promoção do Papai Noel certamente cumprem todos esses objetivos.

Lembre-se que uma das profecias de Jesus Cristo sobre o fim dos tempos é que o coração das pessoas estará extremamente frio com relação a ele.

“E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará.” Mateus 24:12.

Certamente, as crianças aprendem a ir à fonte errada para receber presentes, são encorajadas a se comportar bem durante o ano pelas razões erradas, e aprendem a amar os bens materiais, em vez de amar a Deus sobre todas as coisas. Isso nos faz lembrar de outra profecia bíblica:

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus.” 2 Timóteo 3:1-4.

Essa profecia não descreve exatamente como está nossa sociedade nos dias atuais? As crianças estão aprendendo desde cedo a amar os bens materiais, a tentar obter o maior número possível de brinquedos, e a amar a si mesmas, tudo como conseqüência de acreditar nesse mito pagão do Papai Noel.

Pedimos que você receba essas informações com amor, como elas foram dadas. Você certamente não deve ensinar aos seus filhos o mito do Papai Noel.

Ensine que Jesus Cristo é a razão do Natal. Não há nada de errado em dar e receber presentes, mas faça as crianças compreender que é muito melhor dar do que receber. Além disso, mostre-lhes que Jesus Cristo nos deu o maior presente de todos, o dom da vida eterna!

Quando você compreender o modo deliberado como o mito do Papai Noel foi criado, como uma falsa imitação de Jesus Cristo, poderá ver que as crianças podem ser facilmente desviadas espiritualmente crendo e participando nessa história. Mantenha o foco em Cristo para seus filhos.

Essas informações são apenas mais um exemplo que mostra como estamos vivendo nos últimos dias de grande engano e frieza nos corações. Juntamente com os muitos outros sinais do fim dos tempos, esse amor ao Papai Noel pagão é apenas mais um claro sinal do fim.


_____________________________________________

Gostou do artigo? Compartilhe-o com seus amigos usando nossos botões de compartilhamento! (Ou indique diretamente para seu amigo mandando uma mensagem para ele)

Deixe um comentário logo abaixo a imagem diga o que você achou a respeito da postagem caso tenha sido significante para você de alguma forma, será uma honra ouvir seus pensamentos.

Conheça melhor o blog. Visite nossa página sobre:



quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

A história do uso cultural e espiritual da Canabis

Gostaria de iniciar esse blog convidando-o a essa rica leitura a respeito do uso cultural e espiritual da Canabis. Eu acredito que para trilhar o caminho de volta para o espirito é necessário a reconexão e o respeito com o reino vegetal em geral. Mas para conseguirmos amar, entender e respeitar esse reino vegetal sem termos sido criados para contempla-lo (nossa cultura ocidental não nos ensinou como VIVER com harmonia com o reino vegetal) a rota mais fácil para essa REINTEGRAÇÃO com o reino vegetal é através das plantas de poder.

A Canabis é considerado uma planta de poder "menor" por isso é a mais indicada para a reaproximação desse reino. É mais fácil lidar inicialmente com a Canabis do que já indicar plantas mais "poderosas" como a Ayahuasca ou o Peyote.
Para a reintrodução ao RECONHECIMENTO da CONSCIÊNCIA do reino vegetal acredito que a Canabis, nossa "Santa Maria" (como diriam os irmãos Daimistas) é uma boa porta de entrada para esse RECONHECER da magnitude, beleza e profundidade do reino vegetal.

"Desperta, tu que dormes e levanta-te dentre os MORTOS Cristo te esclarecerá."

(Efésios 5:14)

Agradeço a meu amigo Isaac por ter me indicado essa leitura à um tempo atrás.

Editor:  O Eremita

_____________________________________________________________





“E acrescentou Deus: Eis que vos dou todas as plantas que nascem por toda a terra e produzem sementes, e todas as árvores que dão frutos com sementes: esse será o vosso alimento!” – Gênesis 1:28


A prova da ingestão da Cannabis sativa mais antiga que se têm são as fezes fossilizadas de um membro de nossa espécie que contêm claramente vestígios de pólen de Cannabis. Este cropólito foi achado às margens do lago Baikal, localizado na Ásia Central, e datado em 10 mil anos.

É provável que a Cannabis tenha sido uma das primeiras plantas a serem domesticadas pelo homem há 20 mil anos – vários e fortes indícios levam a essa conclusão. Há 15 mil anos, acredita-se, a planta já era usada para a confecção de tecidos, cordas, fios, etc., no entanto, não se sabe se era já inalada ou ingerida deliberadamente com a intenção de alterar a consciência, em todo caso, há provas definitivas do uso cultural da Cannabis há 6.500 anos naquela que é considerada a mais antiga cultura neolítica da China chamada Yang Chao. Nessa cultura, as fibras da planta eram usadas na confecção de roupas, redes de pesca e caça, cordas, etc., sendo que as sementes eram usadas na alimentação na forma de farinha, bolos, pudins e outras preparações.

O livro de medicina mais antigo que se conhece, o Pên-Ts’ao Ching, remonta há 4 mil anos e fala do uso mágico das inflorescências femininas da planta: ” Se tomada em excesso produzirá a visão de demônios. Se tomada durante muito tempo ilumina seu corpo e o faz ver espíritos.”

Há 3.500 anos, o Atharva veda, livro sagrado dos Hindus, também se referia à Cannabis na forma de Bhang, preparação esta que incluía a resina da planta misturada com manteiga e açúcar. O Bhang era usado para “libertar da aflição” e para “alívio da ansiedade”. Ainda hoje o Bhang é consumido livremente em algumas partes da Índia pelos recém-casados na noite de sua Lua-de-mel, como afrodisíaco. A religião hinduísta acredita que a Cannabis é um presente dos Deuses. De fato, diz-se que a planta teve origem quando Shiva (uma das personalidades de Deus na tríade dessa religião), chegando a um banquete preparado por sua esposa Parvati, saliva ao ver tantas delícias e de sua saliva surge a planta abençoada.

Os Shaivas, devotos de Shiva, fumam continuamente a ganja (a planta feminina) com o charas (a resina das flores) para meditarem e se elevarem espiritualmente. Eles consideram que o chilum – o cachimbo onde a planta é fumada- é o corpo de Shiva, o charas é a mente de Shiva, a fumaça resultante da combustão da planta é a divina influência do Deus e o efeito desta, sua misericórdia.

Os Citas também faziam uso mágico-religioso da Cannabis. Esta era privilégio dos nobres que se reuniam para consumí-la em tendas especialmente construídas para esse fim. Essas tendas eram montadas sobre as areias do deserto e um grande buraco era aberto onde se queimavam toras de madeiras aromáticas. Quando estas estavam em brasa, três ou quatro pés da planta eram jogados inteiros no buraco que era então coberto com uma tampa feita de pele de carneiro, exceto por uma abertura em torno da qual os participantes se reuniam para gozarem dos vapores que se elevavam. Isso há 2.800 anos.

Os Assírios conheciam a planta a qual chamavam Kunubu ou Kunnapu, que veio dar no latim Cannabis. A planta era cultivada pelo rei, que a distribuía diariamente, junto com um litro e meio de cerveja, para todos os cidadãos, num claro exemplo de uso hedonístico, não anômico. As qualidades medicinais da planta estão descritas em escrita cuneiforme num dos livros mais antigos da humanidade e que fazia parte da Biblioteca de Assubarnipal há 2.700 anos. Este livro pode ser visto hoje no British Museum em Londres.

Entre os gregos, a Cannabis na forma de haxixe, era ingerida junto com ópio na célebre preparação descrita por Homero – chamada Nephenthes, que aliviava as dores, angústias e preocupações.

Devido à proibição do Corão ao uso do álcool, desde sempre o haxixe e a Cannabis têm sido o embriagante preferido dos povos islâmicos. Sendo considerada pura, a planta é passível de ser usada pelos crentes. A célebre seita dos haxixin, liderada pelo afamado Ai-Hassan lbn- Ai Sabbah, o velho da montanha, fazia uso da planta. Seu líder levava os membros a um recinto onde estes fumavam haxixe em meio a um lauto banquete servido por jovens e belas mulheres que lhes atendiam em todos os seus desejos. Após isto, o Velho da Montanha lhes dizia que assim gozariam do paraíso de Allah caso cometessem assassinatos políticos que favorecessem a seita. A palavra assassino tem origem a partir deste episódio, já que os membros da seita eram chamados de haxixin. É certo que os cruzados que os combateram aprenderam destes o uso do haxixe, levando-o consigo de volta à Europa.

Com a islamização do norte da África, a planta se espalha rapidamente por este continente e breve não só os povos islamizados dela fazem uso entusiástico como também as tribos animistas do resto da África.

Um rei africano apresentado à erva, converte-se a seu culto e a tribo passa a se chamar Bena Riamba – ” os irmãos da Cannabis”. Todo dia ao pôr-do-sol, os membros desta tribo se reúnem em roda no pátio central da aldeia para fumar a planta. Antes de passar o cachimbo, olham-se nos olhos dizendo: “Paz irmão da Cannabis”. Representantes desta tribo são até hoje encontrados na costa sul de Moçambique.

Assim como os Bena Riamba, muitas outras tribos se convertem ao uso da planta, incorporando-a em destaque no seu panteão. A palavra maconha, vem de Ma Konia, Mãe Divina, num dialeto da costa ocidental africana.

Apesar de saber que as caravelas portuguesas tinham seu velame e cordame feitos da fibra do cânhamo (Cannabis sativa), acredita-se que a Cannabis tenha sido introduzida no Brasil pelos negros escravos que para cá foram trazidos. Os nomes pelos quais a planta é conhecida aqui indicam tal fato, já que são todos nomes de origem africana- fumo d’angola, Gongo, Cagonha, Marigonga, Maruamba, Diamba, Liamba, Riamba e Pango. Este último vem do sânscrito Bhang, através do árabe Pang, até o africanismo pango.

De toda forma, a planta esteve desde o início associada à população de origem africana, sendo que a ampliação de seu uso, atingindo também aqueles de origem européia, era considerada por autores como Rodriques Dória como: ” uma vingança da raça dominada contra o dominador”.

Os cultos afro-brasileiros sempre utilizaram a Cannabis. Já no século XVIII, os relatos sobre os calundus- reunião de negros ao som de tambores- indicavam a presença da planta, que era inalada pelos participantes, deixando-os “absortos e fora de si”. Até a década de 30 do século XX, quando são legalizados os Candomblés e Xangôs, a Cannabis era constantemente apreendida nos terreiros junto com os objetos de culto. A Cannabis é considerada planta Exú, sendo consagrada a esta divindade.

Em 1830, a legislação do município do Rio de Janeiro punia o uso do “pito de pango”, como era conhecida a Cannabis, com pena de multa de 5 mil réis ou dois dias de detenção; esta foi nossa primeira lei a respeito da planta.

Nas décadas de 20 e 30 deste século, são produzidos os primeiros trabalhos científicos brasileiros a cerca do hábito de fumar maconha. Apesar de seus autores serem em sua quase totalidade médicos preocupados em justificar a proibição da planta, estes tinham um olhar etnográfico sensível, descrevendo com minúcias os rituais do “clube de diambistas, nome dado à associação de indivíduos com o intuito de fumar Diamba.. Os diambistas eram, preferencialmente, membros dos estratos mais baixos da população brasileira, em especial pescadores que se reuniam para fumar a erva cantando loas a esta. São dessa época os famosos versos: ” Diamba, sarabamba, quando fumo diamba, fico com as pernas bambas. Fica sinhô? dizô, dizô”. Termos utilizados pelos diambistas. como “fino”, “morra” e “marica” entre outros, são até hoje parte da gíria própria dos usuários.

A distribuição geográfica do consumo da Cannabis na época incluía Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Maranhão e Bahia. Daí, pouco a pouco o hábito se espalha e a partir da década de 60, com a contra-cultura, passa a atingir outros estratos sociais. Atualmente, seu uso é amplamente disseminado entre as camadas médias urbanas.

Também os povos do novo mundo não ficaram imunes à Cannabis. Hoje em dia no Brasil, os Mura, os Sateré-Mawé e os Guajajaras fazem uso tradicional da erva. Os Guajajaras tem a planta em alta estima e sua presença na mitologia do grupo atesta à antiguidade de seu uso, que remeteria à segunda metade do século XVII. A planta é consumida no contexto xamânico, junto com o tabaco, para propiciar o transporte místico do pajé e na divinação. No contexto profano, a erva é inalada em grupo antes de trabalhos pesados nos multirões para dar disposição- indicando que a chamada síndrome amotivacional, associada à Cannabis- possa ser um fenômeno antes cultural do que uma decorrência dos seus princípios ativos. Os dados jamaicanos parecem confirmar essa tese, uma vez que nesse país a Cannabis é amplamente fumada por trabalhadores rurais como estimulante antes de trabalhos pesadoes e extenuantes.

Outros nativos das Américas também usam a Cannabis, entre os quais estão os índios Cuna do Panamá, que já possuíam escrita antes da chegada dos europeus, os índios Cora do México, e outros. Segundo uma comunicação pessoal do arqueólogo chileno Manuel Arroyo foram encontradas pinturas ruprestes naquele país, próximas a fronteira com a Argentina, feitas com tintas cujos pigmentos indicavam a presença de thc e que foram datadas em 12.000 anos. Isto sugere não só uma presença pré-colombiana da planta no continente, como também um uso mágico-religioso da mesma, aventando a hipótese de uma inspiração cannábica de uma determinada tradição artística indígena.

Hoje em dia existem religiões organizadas onde observa-se o uso da cannabis. Para os Rastafari da Jamaica, a planta é Kaya, a energia feminina de Deus. Seu uso diário naquilo que é chamado “Irie meditation”, a meditação da energia positiva, é justificado pelas seguintes passagens da Bíblia, no Gênesis:” Eu sou Jeová teu Deus, eis que te dou toda a planta que há sobre a terra, e que dá semente nela mesma, para que fazeis bom uso dela” e no livro das revelações, o Apocalipse, quando descreve o paraíso:” vi também a árvore da vida, cujas folhas são a cura das nações”.

Para a doutrina do Santo Daime, a planta é sagrada e identificada com Santa Maria, a mãe de Jesus (hoje não é mais assim devido a inquisição farmacológica e institucional, a dominação ideológica anti-natureza e há abusos que não cabe aqui tratar). Para consagrá-la, é necessário aderir a um uso cultural diferenciado, sendo a planta consumida exclusivamente durante os rituais, em silêncio, com o pito, a denominação nativa para baseado, passado sempre no sentido anti-horário, isto é, da direita para a esquerda.

Devido à longa história de associação entre nossa espécie e a Cannabis, esta apresenta um grande polimorfismo decorrente de inúmeras hibridizações levadas a cabo com a intenção de desenvolver plantas com qualidades desejadas. Sendo a planta dióica, ou seja, possuindo os sexos separados em duas plantas – uma macho e a fêmea, o gênero cannabis compreende três espécies distintas: sativa, indica e ruderalis. O famoso “Skunk”, híbrido, aparecido recentemente e já famoso, nada mais é do que o cruzamento de três diferentes linhagens- plantas afegãs indicas, plantas tailandesas indicas e por fim plantas mexicanas sativas. Estas plantas foram cross polinizadas dando origem a um cultivar que apresenta as seguintes características: necessita de pouca luz, matura depressa e produz resina abundante com um alto teor de THC.

Ao contrário do que se pensa, o princípio ativo da Cannabis não é um alcalóide, já que não apresenta nenhuma base nitrogenada, sendo antes um lipóide solúvel complexo, composto por vários isômeros de tetrahidrocanabinóis, cujo principal responsável pelos efeitos da planta é o 3-4-transtetrahidrocanabinol.

Sabia-se desde 1988 que nosso cérebro apresentava receptores autônomos para o THC, mas somente em 1994, com a descoberta da Anadenamida por Devane que se compreendeu pela primeira vez em detalhe o mecanismo de ação do princípio ativo da Cannabis. A anadenamida, palavra que vem do sânscrito Ananda, que quer dizer felicidade, revelou-se ser um neurotransmissor autônomo presente naturalmente no nosso cérebro regulando seu funcionamento e agindo como analgésico em momentos de stress do organismo. O THC, apresentando uma estrutura química semelhante à Anadenamida, encaixa antes dessa no neurorecptor, desencandeando a gama de efeitos típicos da planta.

Logicamente os efeitos da Cannabis não podem ser creditados exclusivamente às substâncias químicas que esta contém, sendo o resultado da interação de múltiplos fatores como biológicos- o peso corporal do indivíduo e sua condição física; os psicológicos- suas motivações e atitudes, personalidade, humor e lembrança de experiências passadas; efinalmente os sociais e culturais- a natureza do grupo de usuários e sua perfomance ritual, o sistema simbólico compartilhado, a expectativa do conteúdo visionário e os adjuntos não verbais, como músicas, incensos, etc., assim como o sistema de crenças e valores dos consumidores.

Recentes estudos sobre o mecanismo da atuação do THC nos sítios neuroreceptores do cérebro demonstraram a impossibilidade de adição química à substância devido a certas características de sua metabolização, sendo, portanto, uma substância “não viciante” no sentido clássico da palavra. Muitos mitos em relação à planta têm caído por terra ultimamente, á medida em que estudos com maior seriedade científica começam a ser divulgados. Recentemente a OMS (organização mundial de saúde) realizou uma pesquisa na qual chegou à conclusão que o uso recreacional da maconha traz menos malefícios à saúde pública do que o álcool e o tabaco. O valor terapêutico da planta, desde milênios conhecido da humanidade e desde já algumas décadas reconhecido pela comunidade científica, começa agora a sensibilizar os governos de alguns países como a Inglaterra e alguns estados americanos como a Califórnia, Oregon, Arizona e outros, que liberaram o uso medicinal da Cannabis.

A legislação brasileira em relação à Cannabis necessita, em face do exposto, ser repensada. Antes de mais nada, a luta pela legalização é uma luta pela ampliação das liberdades individuais. O código penal brasileiro não prevê pena para crime de auto-lesão, é por isso que o suicídio(ou sua tentativa) é inimputável. Ora, uma vez que o fumante de maconha em última análise só está fazendo mal a si mesmo, é uma contradição, pois, que seja punido por seu ato. A repressão ao consumo da Cannabis no Brasil esteve ligada, em seus primórdios, à tentativa de suprimir os elementos africanos da religiosidade popular, sendo então sua proibição historicamente ligada à tentativa de cercear a liberdade religiosa. A perseguição implacável da Polícia Federal aos Guajajaras e as periódicas batidas nas aldeias são uma afronta à liberdade de auto-afirmação étnica deste grupo indígena. A negação por parte do nosso governo do uso medicinal da Cannabis é um atentado a saúde pública, impossibilitando a cura e o alívio de muitos, que vêem sabotada a sua liberdade de viver.

A ameaça velada de enquadramento por apologia a todos aqueles que, em alguns casos, só pronunciam a palavra proibida-“maconha” é um entrave a uma das liberdades mais fundamentais- a liberdade de expressão.

Por último, mas não menos pior, a proibição do uso recreacional da maconha é uma herança sombria da tradição judaico-cristã. que penaliza o prazer, implicando numa restrição a liberdade do gozo, da fruição dionisíaca, do lazer em suma.

Pedro Fernandes Leite da Luz
Ph.D. em Antropologia – UFSC

Artigo original em: Pistas do caminho

_____________________________________________

Gostou do artigo? Compartilhe-o com seus amigos usando nossos botões de compartilhamento! (Ou indique diretamente para seu amigo mandando uma mensagem para ele)

Deixe um comentário logo abaixo a imagem diga o que você achou a respeito da postagem caso tenha sido significante para você de alguma forma, será uma honra ouvir seus pensamentos.

Conheça melhor o blog. Visite nossa página sobre: